28 de junho de 2013

Era pra eu ter escrito parte deste post na semana passada, mas como a preguicinha reina em mim, decidi esperar e escrever sobre os dois assuntos de uma vez só...

PERMISSÃO DE RESIDÊNCIA / MIGRATIONSVERKET
Três dias depois que cheguei aqui, fui à Migrationsverket fazer o pedido da minha permissão de residência. O documento que a embaixada no Brasil me deu antes era provisório. No título eu coloquei aspas em "definitiva", porque a permissão que tenho é de até dois anos, mas posso renovar quando tiver faltando alguns meses para acabar.

Cheguei um pouco atrasada, mas eles também estavam um pouco atrasados com a chamada... Lá tinha muita gente, de todos os países imagináveis, em uma fila enorme que, acredite, não estava servindo para nada. O sistema na Migrationsverket não é favorável a quem chega mais cedo, ou seja, se você chegou mais cedo, fica sentadinho esperando todos que chegaram mais tarde (mas que marcaram horário pra mais cedo que você) passarem a sua frente... Sendo assim, cheguei atrasadinha uns 15 minutos, mas fiquei lá na frente dessa tal fila gigante. 

Fofoca: esse lance de fila fez uma mulher chorar e gritar horrores lá, falando que tava há não sei quantas horas e agora mil pessoas passando na frente dela e blá blá blá... :-O

Enfim... Lá a gente faz digital, foto, dá o endereço pra entrega e pronto.
Um probleminha básico foi o fato de eu estar vinculada ao meu namorado, então eu dei o endereço da casa e eles mandaram lá pra empresa onde ele trabalha. 
Outro problema é que eu não sabia que tirava fothénha, então nem levei um espelhinho básico, haha

Eles disseram que chegaria uma semana depois o cartão, mas demorou uns dois dias úteis a mais, talvez por causa do Midsommar (é, eu não escrevi sobre isso.... mas o Midsommar é basicamente quando os suecos tiram uns dois dias de folga no dia mais longo do ano pra festejar a chegada do verão). E esse aí em cima é como o cartão de permissão de residência se parece, só não repare muito na minha beleza excessiva sem maquiagem e com franjinha de Zacarias. ^^

PERSONNUMMER / SKATTEVERKET
O personnummer é equivalente ao CPF no Brasil e é feito na (ou no, sei lá) Skatteverket. Ontem fui lá fazer o pedido do meu.

Foi super rápido. Para fazê-lo, você tem que levar o passaporte e a permissão de residência. Lá na Skatteverket, eles também dão um formulário pra você preencher com nome, nacionalidade e endereço basicamente e uma senha para ser atendido.

Depois, é só esperar ser chamado e entregar os documentos. Acho que o prazo para chegar também é de uma semana. Um problema é que a inscrição para o curso de verão de SFI (sueco para imigrantes) acaba hoje e só poderia fazer com o personnummer em mãos, mas outros cursos virão.

Qualquer dúvida sobre essas questões de tirar documentação é só perguntar nos comentários e, se eu souber, eu respondo.

Beijos.
9

13 de junho de 2013

Confira o post com 100 curiosidades sobre a Suécia!

Já coloquei logo "parte 1" porque sei que vou conhecer muito mais da Suécia e escrever depois, mas eu já observei muitas coisas diferentes e legais por aqui, sobre as quais vale a pena falar um pouco...
Quando eu cheguei aqui, eu fiquei encantada com a limpeza e a organização da cidade. É tudo muito conservado e a cidade de Estocolmo, pelo menos nessa época do ano, tem verde que não acaba mais! Todas as casas têm jardins na frente, super bem cuidados e cheios de flores lindas. Sem falar nos parques e nas próprias ruas que são repletos de árvores por todo canto... 

Domingo de primavera, 09/06. Estocolmo. 20h30. Foto: Victória Freitas
O que me chamou muito a atenção foram as quadras públicas, seja para praticar futebol ou qualquer outro esporte: imagine só um alambrado sem nem um arame fora do lugar sequer e uma quadra com grama sintética toda bonitinha, limpa, conservada... Eu achei que era particular quando meu namorado me levou até uma delas. Perguntei "e pode ir entrando assim?", aí que ele me falou que era pública! hahaha...

Abaixo, vou listar algumas coisas que presenciei de diferente aqui, em relação aos costumes e a qualquer coisa que me vier à mente:

1 - Os suecos sempre andam do lado direito. Eu acho isso ótimo, porque assim a gente não sai esbarrando nas pessoas. Até mesmo nas escadas rolantes, todo mundo fica do lado direito para que as pessoas que estão com pressa possam ultrapassar pelo lado esquerdo.

2 - A coleta e separação de lixo aqui é bem complicadinha no começo, mas a gente acaba se acostumando. Imagine só ter que separar: orgânico, papel, papelão, plástico fino, plástico grosso, vidro transparente, vidro colorido, metal e por aí vai... hahaha. Isso é sério! Depois vou até fazer um post especial sobre a coleta de lixo.

3 - O transporte público aqui é divino! Acho que as pessoas só têm carro aqui para irem a IKEA nos finais de semana ou viajar, porque não precisa. Todas as linhas de transporte (ônibus, barco, metrô) são interligadas. Sendo assim, você utiliza um único cartão para ter acesso a elas, o qual pode ser pago diária, semanal ou mensalmente (também pode pagar a passagem com sms... haha). Além disso, todos os ônibus e metrôs chegam no minuto exato previsto. Sempre tem uma plaquinha avisando quantos minutos faltam para o ônibus passar, para o metrô partir, etc. O ônibus têm ar condicionado no calor, são aquecidos no inverno. Eles param super perto da calçada (encostando o pneu mesmo) e abaixam para a gente subir/descer. Acho que o tópico tá ficando grande... Vou ter que fazer um post pros ônibus. 

4 - Aqui tem feijão sim. Só para avisar, embora eu nem goste muito... haha.

5 - Todos os carros sempre param na faixa de pedestre para você passar. Isso eu já tinha visto um pouco quando morei em Brasília, mas não eram todos que paravam. Outra curiosidade sobre o trânsito é que aqui é permitido falar ao celular enquanto dirige. A acessibilidade para deficientes também é incrível aqui... Vê-se por todos os lugares.

6 - Fiquei impressionada com a confiança dos suecos. Como eu disse no post sobre a IKEA, em muitos lugares nós mesmos podemos passar, pagar e levar os produtos sem que seja conferido muitas vezes. Aqui também tem um metrô que a gente pega sem roleta, mas que às vezes passa um guardinha conferindo o cartão. Peguei esse metrô duas vezes e ainda não me pediram para mostrar o meu.

Por enquanto é disso que eu estou me lembrando... 
Com o passar do tempo eu vou postando mais. ^^
Beijinhos.

17

3 de junho de 2013

Enfim, cheguei na Suécia! A viagem foi super tranquila e vou contar todos os detalhes nesse post, porque muitas coisas eu não sabia e tive que perguntar ou pesquisar a respeito. Eu nunca tinha saído do Brasil e também não tinha costume de andar de avião, então eu estava super insegura... Mas foi tudo foi muito fácil no geral. Fui fazendo amigos ao longo do caminho e descobrindo aos poucos as coisas. ^^

Google images
BAGAGENS
Eu já sabia que as malas iam direto para o destino final, mas como eu ia mudar de companhia aérea, eu pensei que talvez precisasse pegar as malas no Rio também. Então, quando fui despachar as malas em BH, eu perguntei à moça que me atendeu e ela confirmou que eu só precisaria pegar as malas em Estocolmo. 
Para as viagens internacionais a partir do Brasil você pode levar duas malas com até 32 kg e a bagagem de mão. É sempre bom conferir sobre a bagagem de mão de acordo com a empresa que você vai viajar, mas o normal, eu acho, é uma bagagem de até 10 kg e pertences como um notebook, por exemplo. Eu só trouxe uma bolsa e um notebook mesmo, mas encontrei uma menina que tava com uma mala pequena e uma mochila com dois notebooks, além de mais uma sacola com outras coisas.

ITINERÁRIO E AEROPORTOS
Como eu disse em outro post, eu passei por Londres. O itinerário foi: Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Londres e Estocolmo. Fiz check-in em Belo Horizonte e quando fui passar no portão de embarque já tive um problema: minha bota não passou no detector de metais. Tive que tirá-la em todos os aeroportos. No aeroporto de Belo Horizonte foi muito fácil encontrar os lugares para onde eu tinha que ir, mas no Rio de Janeiro não foi a mesma coisa. Tive que andar muito no aeroporto do Rio, porque desembarquei em um terminal diferente do embarque. A falta de informação em placas também fez eu ficar um pouco perdida no Rio. Fiquei três horas até pegar o voo para Londres. Desembarquei no Heathrow no mesmo terminal de embarque. O aeroporto de Londres é repleto de informações, não fiquei perdida, exceto na hora de pegar o trem no andar de baixo, mas pedi ajuda. Fiquei esperando mais quatro horas e peguei o avião para Estocolmo.

TEMPO DE VIAGEM E COMIDA NO AVIÃO
O meu primeiro voo, de BH para o Rio, foi pela TAM. O voo durou mais ou menos uma hora. Eu tava com muita fome, mas só ofereceram dois biscoitinhos de doce e eu tomei água para acompanhar. Já no voo do Rio para Londres, pela British Airways, tem muita comida! Você também pode levar sua própria comida, mas nos voos internacionais não acho que seja necessário. Até bebidas alcoólicas eles oferecem... Esse voo durou mais ou menos 12 horas e eles ofereceram algo para beber pouco depois de decolar, depois ofereceram janta (frango com arroz e salada ou macarrão com salmão) e depois um café super reforçado que tinha até danoninho :). Na viagem para Estocolmo eles ofereceram um enrolado de frango com alface bem apimentado.

Dica super importante: leve manteiga de cacau ou algum hidratante para a boca na viagem, porque eu coloquei a minha na mala e não na bagagem de mão... Sofri! 

IMIGRAÇÃO
Não tive nenhum problema com a imigração. Muitos me diziam que era tranquilo passar por Londres, mas tem pessoas que são paradas e eles fazem várias perguntas, levam pra uma salinha, etc. É necessário que se tenha sempre o passaporte fácil de pegar, porque tem que mostrar em diversos lugares. Em Londres, além de ter tido que tirar a bota, eles dão um saquinho para separar os líquidos que estão dentro da bolsa. Coloquei coisas da maquiagem como rímel, cremes e uma pomada que eu uso para passar na tatuagem. O único lugar em que me fizeram pergunta foi assim que cheguei em Estocolmo. Assim que a gente chega tem duas filas, uma para os nativos e outra para as pessoas de outros países. Na minha vez a mulher perguntou o que me trouxe à Suécia e eu respondi que vim para morar. Ela se assustou um pouco. Aí eu mostrei o documento que peguei na embaixada. Depois disso, peguei minhas malas e fui para casa.

Até o próximo post!
7

Por Victória Freitas

authorOi, Eu sou a Vic, autora do blog Morando na Suécia.
Quer saber mais?



♢ ♢ ♢

♢ ♢ ♢
Snapchat: stronglica

INSTAGRAM