12 de fevereiro de 2016

5 COISAS QUE APRENDI MORANDO NA SUÉCIA

A experiência de morar em outro país, com uma cultura totalmente diferente, é repleta de aprendizados. Mas morar longe da família, principalmente sem saber fazer quase nada sozinha (eu mesma...) é extremamente difícil no começo. Com o tempo a gente acostuma e só o que resta para aprender é como lidar com a saudade.

Morando na Suécia, eu aprendi um bocado de coisas que considero muito valiosas, coisas simples, sobre o mundo ao redor, sobre mim mesma, que tenho certeza que vou levar pra vida inteira.



1 APRENDI DUAS LÍNGUAS
Sim... quando cheguei à Suécia, eu mal sabia falar algumas palavras em inglês. Na escola que aprendi sueco, as pessoas tentavam conversar comigo em inglês, eu até entendia bastante, mas quando tentava responder não saía nadinha. Então, onde era pra eu aprender sueco, acabei aprendendo inglês também. =)

Depois de algum tempo morando aqui, também fiz um curso de inglês, já que eu precisaria ter o que eles dizem ser "nível 6" de inglês para o caso de eu querer tentar um mestrado, por exemplo. O curso durou 10 semanas.

Hoje, trabalho com línguas. Faço tradução de documentos de inglês para português (e vice versa), e na empresa as conversas e reuniões são todas em sueco. Sem falar que outras línguas acabam entrando no pacote. Quando viajei pra Noruega, por exemplo, entendia tudo o que falavam.

2 APRENDI A COZINHAR
Eu cheguei aqui sem saber fritar um ovo direito. Isso é tão sério que uma vez fui fazer almoço pra mim, o bife queimou, o arroz ficou daquele jeito que me faltam palavras (tava parecendo mais uma pasta de farinha com água), o feijão ficou salgado demais e, juro, nem o purê de batatas eu acertei (não cozinhei a batata direito e bati no liquidificador com sal, sem leite e manteiga, ficou parecendo cola). Como eu tava com fome, tive que comer, né? Comi chorando. Sério.

Ah, mas por que não comer em restaurante então? Por um motivo muito simples: se tem uma coisa que eu tenho pavor na Suécia é de ir a restaurante. Primeiro, porque eu sou muito chata com comida, não como de tudo e, a comida aqui, na minha opinião, não chega nem aos pés daquela comida mineira deliciosa. Segundo, porque o preço... nem comento.

Achei que nunca fosse aprender a cozinhar, até bolo de caixinha aqui dava errado (o que nunca aconteceu no Brasil). Enfim a minha sorte mudou, e foi quando o rapaz com quem dividíamos o apartamento recebeu uma visita iluminada: tio Pepê! Ele cozinha tão bem, pratos "magníficos", como ele mesmo fala; foi quando comi bem até dizer chega e aproveitei pra pegar algumas dicas de cozinha. A partir daí foi só alegria. Hoje cozinho de tudo, inclusive já fiz pão de queijo, pastel e coxinha. A última foi me aventurar com um doce de casca de laranja em calda; magnífico!

3 APRENDI A NÃO ME IMPORTAR
Quando eu morava no Brasil eu me importava muito com o que outras pessoas comentavam, porque qualquer coisa diferente do comum é motivo pra comentarem. Durante os nove anos em que andei de skate, usando roupas folgadas e sem me ligar pra coisas de menina, sofri muito preconceito e acabava ficando triste com isso, apesar de no geral me divertir com a ideia de ser a ovelha negra da família.

Já aqui, pelo fato de a sociedade não cobrar muito, você pode ser o que bem quiser e, mesmo que queira chamar atenção, pode correr o risco de ninguém nem olhar para você, já que o diferente é normal. As pessoas parecem não julgar. Eu me sinto à vontade pra sair qualquer dia sem maquiagem, com um monte de roupa sobrepondo a outra por causa do frio, de um jeito que só seria aceitável dentro de casa, sozinha, com a cortina fechada e a luz apagada... e me sinto bem, porque, sério, ninguém se importa!

E, com isso, eu passei a me acostumar com a ideia de deixar passar comentários negativos, e não sofro mais com coisa boba. Ok, um pouquinho talvez de vez em quando.

4 APRENDI A ME ACHAR BONITA
Se tem uma coisa que faz a mulher sofrer no Brasil é a indústria da beleza, querendo impor padrões impossíveis de serem alcançados por todas. É impressionante como isso chega a ser cruel em muitos casos. E brasileiro não mede palavras pra comentar daquele seu "defeito" (eu também não era lá a santa...), assim muitas pessoas já falaram mal das estrias que tenho, ou que eu estava magra demais e, acredite se quiser, duas mulheres pegaram nos meus peitos sem minha permissão e fizeram comentários negativos na frente de várias pessoas; uma delas com um histórico de cirurgias plásticas de beleza. 

Fiz tratamento pra estria, não adiantou. Tentei comer o mundo pra engordar, continuo um palito. Já pensei em fazer plásticas em diversas partes do meu corpo e ainda bem que não gastei meu dinheiro com isso!

Aqui, as pessoas comentam dos detalhes que acham bonitos. E, por eu ter traços diferentes, já elogiaram a cor do meu olho, da minha pele, do meu cabelo... com isso, eu comecei a perceber detalhes em mim que eu nunca tinha reparado e passei a ver tudo mais bonito. Parece mágica; agora me olho no espelho e, mesmo o que antes eu queria mudar, eu acho perfeito. Porque é perfeito, não tem defeito; ninguém tem defeito. Defeitos são definidos a partir de padrões de beleza, os quais sempre mudam, principalmente de acordo com o olhar e o gosto de cada um. E everybody sabe que é impossível agradar everybody

Aprendi a me achar bonita do jeito que eu sou e liguei o foda-se. Você deveria fazer o mesmo!

5 APRENDI QUE NINGUÉM É MELHOR QUE NINGUÉM
Na empresa onde trabalho, meu chefe não tem um escritório separado, os líderes e gerentes de projetos também não. Estão todos ali, no mesmo tipo de mesa que eu, enfileirados, independente do cargo que ocupam. Isso é muito comum na Suécia; o pensamento de que ninguém é melhor que ninguém, nem mesmo os políticos

No Brasil, a impressão que tenho é de que todo mundo tem aquele medo de falar com o chefe, ou com uma pessoa que ocupe um cargo considerado mais importante. Eu era assim...

Aqui, isso mudou. Não fico me tremendo toda na hora de falar em uma reunião com essas pessoas. Não há aquela mentalidade de "você sabe com quem você tá falando?". Pelo contrário, às vezes as pessoas têm até vergonha de mostrar que têm o melhor ou que sabem mais. Todo mundo se trata com respeito e educação e igualdade! E isso é lindo!

Por hoje é isso. 
Ainda espero pelo dia que irei escrever que aprendi a chegar no horário marcado. ^^

Beijos e hej då!!!

Compartilhe nas redes sociais usando os botões abaixo.

21 comentários:

  1. Ah mulher, vc é maravilhosa! Sempre foi. E cresceu muito indo praí. Quero saber se vou poder comer desse doce de casca de laranja :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que amor! Obrigada!!! ^^
      Chega mais... faço outro, porque esse já acabou. Haha.

      Excluir
  2. Adorei... .não gosto muito de ler textos grandes, mais esse foi massa, quanto mais lia mais queria ler. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo ler isso... Fico feliz!!! :)
      Muito obrigada mesmo.

      Excluir
  3. Massa! O negócio é esse mesmo, aprendizado contínuo, living and learning! Uma vez, há anos atrás, eu li em algum lugar que devemos sempre buscar aprender, que a cada dia deveríamos aprender uma coisa nova, por mínima que seja; e que se isso não acontecesse, seria um dia inútil! Parece extremo, mas é bem interessante se refletir um pouco a respeito. Se não estou enganado, isso tem alguma relação com cultura japonesa... enfim! Keep walking and keep learning!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Obrigada pelo comentário, Alex! Adorei! :)

      Excluir
  4. Adorei hahahaha! Os 3 últimos tópicos são essenciais!!!

    ResponderExcluir
  5. Very gudi! fico feliz por tí! a melhor escola é a da vida mesmo! felicidades sempre pra tú you.

    ResponderExcluir
  6. Que post maravilhoso! Adorei =D
    Beijos
    Muito sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuito obrigada, Rafa!!! Espero que a gente se esbarre logo logo por aí! :)
      Beijooo!

      Excluir
  7. Comecei acompanhando os snaps há pouco e agora vim ler seu blog aos poucos! Adorei as coisas que você aprendeu. Isso só me dá mais vontade de ir pra Suécia! KKK Que judiação comigo! KK

    ResponderExcluir
  8. Gabriela Sundqvist14 de outubro de 2016 00:39

    Pelo amor de deeeeeus! Eu estou em transição, doida para morar no país dos meus sonhos e ao mesmo tempo morrendo de medo de voltar arrependida. Você já parece minha amiga, e tudo que eu penso da Suécia vc também pensa. Obrigada por criar esse blog !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Obrigada a você!
      Vem tranquila que é melhor... Pensamento positivo!
      Beijoo!!!

      Excluir
  9. Nossa, eu nem sei por onde começar o meu comentário porque são tantas coisas ao mesmo tempo dentro de mim gritando... Bem, em primeiro lugar parabéns pelo Blog. Já cliquei em tudo, li muita coisa, pensei em fazer ninety nine comentários, mas resolvi resumir em um. Gostaria de ir pra Suécia pra começar a vida. Sim, começar, porque eu tenho 23 anos e nunca sai da minha cidade no Brasil. Falo Inglês, e necessito melhorar, sair do intermediário. Mas eu gostaria de ir pra um País que não fala Português. Aí fiz pesquisas, e o que mais me chamou atenção foi a península escandinava. Aí passei a pesquisar tudo o que estava ao meu alcançe relacionado aos países nórdicos. Suécia me conquistou. Essa forma de tratar as pessoas igualitariamente Sim, é aí que eu quero ter descendentes. Ano que evem formo na Faculdade de Letras, e vou ver se consigo um emprego. Qualquer coisa! Desde que dê pra morar, comer, dormir e estudar, qualquer coisa eu trabalho aí. Aí faço mestrado e doutorado, pós-doc., isto é, se eu não for obrigado primeiro a fazer outra graduação. O frio não será um problema pra mim porque eu sei que eu vou me adaptar, acredito que o maior problema é conseguir um visto, quiçá permanente. Até que eu consiga abrir mão da minha nacionalidade, em prol de me tornar cidadão sueco. Obrigado por cada palavra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Leonardo! Boa sorte com tudo!
      Espero que tudo dê certo! :)
      Muito obrigada pelo comentário... ^^
      Beijoo!

      Excluir
  10. Oii, Victória.
    Encontro-me na mesma situação. Vou para Suécia sem falar muito inglês. Entendo um pouco, mas na hora de falar travo. Qual foi o curso de inglês que você fez? Foi gratuito, assim como o sueco? Se puder, dê dicas sobre esses cursos e os valores, por gentileza.
    Grata,
    Carina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Eu fiz um curso de inglês gratuito oferecido pela Komvux (tipo uma escola para adultos aqui). :)
      Geralmente tem na mesma escola que você faz o curso de sueco, então é só perguntar na recepção, fazer o teste de nivelamento e a matrícula.
      Até!

      Excluir

Por Victória Freitas

authorOi, Eu sou a Vic, autora do blog Morando na Suécia.
Quer saber mais?



♢ ♢ ♢

♢ ♢ ♢
Snapchat: stronglica

INSTAGRAM